Ex-consultor do grupo Odebrecht afirma à CPMI da JBS que delações da empresa foram construídas

Pedro França/Agência Senado

O ex-consultor do grupo Odebrecht e especialista em direito de telecomunicações Rodrigo Tacla Duran falou à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da JBS nesta quinta-feira (30) sobre o sistema de delações premiadas feitas por executivos da Odebrecht à operação Lava Jato da Polícia Federal. Ele denunciou à CPMI o sistema de construção de delações premiadas. Rodrigo Duran apontou adulteração no sistema de dados de propina e apresentou documentos. O depoimento foi por videoconferência.

Duran disse aos parlamentares que os documentos apresentados em 2017 pela Odebrecht são forjados pois o sistema utilizado pela empresa havia sido desativado em 2016.

— Eu estou me referindo aos documentos a que eu tive acesso. Esses extratos são falsos e já foram periciados. Estes extratos que foram aportados demonstram que o sistema foi manipulado. A partir do momento que o sistema foi manipulado antes, durante e depois do bloqueio, as provas, no meu entender, são viciadas — afirmou.

Duran confirmou ao deputado Paulo Pimenta (PT-RS) que a empresa alugou um hotel em Brasília para hospedar 77 executivos e construir uma versão de delação. Paulo Pimenta disse que esses executivos vão receber salários por 15 anos por aderir ao plano de delações.

— Esse é o delator assalariado. Toda a minha vida eu ouvi dizer que se tu combinar depoimento com alguém é crime. Imagine montar 77 delações, uma sustenta a outra. Foram produzidas planilhas, produzidos extratos, enfim, foi montado um sistema sofisticado para que esta delação pare em pé — acusou.

O senador Paulo Rocha (PT-PA), que presidiu a reunião, ressaltou que os esclarecimentos prestados por Rodrigo Tacla Duran são importantes para o aperfeiçoamento da legislação sobre o sistema de delação premiada.

— Vai contribuir muito para a nossa CPI, para as investigações que estão em curso na CPI. Mas, também, ao mesmo tempo, ajudar, que é um papel da CPI, a propor legislação que melhore ainda mais o nosso arcabouço jurídico, na transparência da gestão pública, no combate a desvios do dinheiro público, enfim – declarou.

Rodrigo Duran mora na Espanha, onde espera responder à denúncia de participar em esquemas de lavagem de dinheiro e pagamento de propina. A oitiva foi feita por meio de videoconferência.

O senador Paulo Rocha (PT–PA), que presidiu a reunião, ressaltou que os esclarecimentos prestados por Rodrigo Tacla Duran são importantes para o aperfeiçoamento da legislação sobre o sistema de delação premiada.

Da Rádio Senado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *