Exército pode estar monitorando ações da Lava Jato

O articulista do jornal O Globo e da Rádio Jovem Pan, Carlos Andreaza, neto de Mário Andreaza, militar influente no período do regime militar, publicou artigo na semana passada no jornal dos Marinhos, criticando ações da Operação Lava Jato e em especial a farsa apresentada pelos procuradores sobre os arquivos de propina da Odebrecht em especial sobre o software “mywebday”.  Neste sistema estariam armazenadas todas informações sobre propinas pagas a políticos. Ocorre que a Polícia Federal, em comum acordo com o juiz Sérgio Moro, revelou apenas a parte que poderia incriminar os políticos ligados ao PT. É por essa razão que jamais apareceram nomes dos políticos do PSDB. Houve uma seleção de nomes e agora o próprio Ministério Público Federal afirma que não tem mais como acessar o sistema porque a senha foi perdida.

No artigo de Calos Andreaza, publicada pelo O Globo, o autor critica veementemente essa posição da Lava Jato que por isso mesmo deram excessos de regalias para os executivos da  Odebrecht. A novidade, porém é que pela primeira vez desde o início daquela operação, os militares entram no assunto. Agora, por exemplo, o site do Exército Brasileiro, transcreveu o artigo de Carlos Andreaza, o que demonstra que os militares adotaram o referido artigo como sendo o pensamento da corporação. O artigo do neto de Mário Andreaza, que era militar e, expoente do regime comandado por altas patentes das Forças Armadas, faz severas críticas a diversas ações da Lava Jato e principalmente de seus coordenadores.

2 Comentários


  1. “Não tem mais como acessar o sistema porque a senha foi perdida.” Que papo mais furado! Isso não existe, todos os softwares que dependem de senha são passíveis de ser ‘resetados’ e se pode gerar uma nova senha. Ora, se foi possível fazer-lo assim, por que não é possível manipula-lo?

    Responder

  2. O Exército Brasileiro, não só pode, mas deve monitorar as ações da Lava Jato como tudo o que for pertinente à defesa do Brasil, inclusive dele mesmo. Afinal qual a única instituição brasileira, de maior conceito perante o seu povo, que não deixou por diversas ocasiões na história da pátria, que a vaca morresse no brejo?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *