Jogador da Sapucaiense é preso durante jogo

Para o clube o jogador Marlon Natanael de Lima Alexandre, 21 anos é esforçado, rigoroso com horários e dedicado aos treinos, mas para a polícia daquela cidade do Rio Grande do Sul é um bandido perigoso
Atacante do Grêmio Esportivo Sapucaiense, de Sapucaia do Sul, na Região Metropolitana, Marlon Natanael de Lima Alexandre, 21 anos, tornou-se internacionalmente conhecido não pela condição de craque, mas pelo envolvimento com o crime. O jogador foi preso quarta-feira durante partida Terceirona do Gauchão, quando estava no banco de reservas.
Aos cinco minutos de partida, da casamata, foi levado algemado à 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre e depois para o Presídio Central, de onde vê o sucesso profissional se distanciar. Brincalhão com a família e impaciente com as vítimas são apenas dois traços da personalidade do suspeito, que já atuou, entre 2012 e 2014, em clubes como a Académica de Coimbra, de Portugal, Galícia Esporte Clube, da Bahia, Associação Desportiva Cabofriense, do Rio de Janeiro, e Clube Atlético Paranaense, do Paraná. Em alguns como profissional. Em outros, nas categorias de base.
O primeiro crime pelo qual responde remonta a 3 de fevereiro de 2015, quando foi flagrado com um carro roubado no bairro Bela Vista, na Capital, após retornar de uma temporada na Europa. Para o amigo Eduardo de Castilhos Borges Cardoso, 21 anos, que acolheu Marlon em sua casa durante o período em que regressava a Porto Alegre entre um contrato e outro, as más influências e as condições financeiras podem ter sido determinantes para o seu possível ingresso na criminalidade.
— Ele é um cara bom, que todo mundo gosta. Se algo aconteceu, foi por causa das amizades. Ele veio morar com a gente quando a mãe dele foi embora para Santa Catarina — contou.
Crime
Marlon é suspeito de estar dentro de um Peugeot 308 roubado que foi perseguido pela Brigada Militar na Rua Cabral, bairro Bela Vista. Momentos antes, um dos três comparsas teria participado de um roubo a estabelecimento comercial no mesmo bairro. Marlon foi indiciado por corrupção de menor, receptação, roubo de veículo e formação de quadrilha. (Com informações do jornal Zero Hora)