Presos suspeitos de torturar e matar usuário de drogas a caminho de clínica de recuperação

 

Dois homens foram presos suspeitos de matar um usuário de drogas enquanto o levavam para uma clínica de recuperação para dependentes químicos, em Goiânia. Ele estava sendo levado contra a vontade quando o crime aconteceu. Segundo a polícia, após o assassinato, eles abandonaram o corpo de Marcos de Souza Alves, de 39 anos, no porta-malas do carro e fugiram.

De acordo com as investigações, Daniel Rodrigues da Silva, 31, era ex-usuário de drogas, trabalhava na clínica e, junto com dois internos, Paulo Victor Rodrigues, 31, e outro, de 24, foram encarregados pelo dono da instituição para buscar a vítima em Caldas Novas no dia 31 de outubro a pedido do pai dele.

“Quando o Marcos foi abordado, reagiu com muita agressividade, se recusando a ir com eles. Os três, então, amarraram as mãos dele e o colocaram no banco de trás do carro. Durante o percurso, o Marcos chegou a quebrar, com o pé, uma das janelas do carro. Com isso, os três pararam o veículo e o agrediram diversas vezes”, disse o delegado responsável pelo caso, Marco Aurélio Euzébio Ferreira.

Depois das agressões, retornaram para o carro e o interno de 24 anos sentou sobre a cabeça da vítima, que morreu asfixiada. Ao chegarem em Goiânia, colocaram o corpo da vítima no porta-malas e deixaram o veículo na clínica.

“Daniel e Paulo fugiram em uma motocicleta de um dos funcionários da clínica. Já o terceiro envolvido continuou na clínica e disse que não tinha culpa pela morte do homem. O dono da clínica, então, ligou para a Polícia Civil, que foi até o local”, explicou o delegado.

Segundo a polícia, o Centro de Reabilitação Renascer funcionava de maneira irregular. “O local não tem alvará de funcionamento. Toda internação involuntária tem que ter autorização de um médico, o que não acontecia lá. Além disso, essas internações precisam ser comunicadas ao Ministério Público em até 72h, o que não era feito. Além disso, usavam pessoas sem a qualificação necessária para o trabalho”, contou Ferreira.

Os dois presos foram localizados em outras clínicas de recuperação onde se internaram após o crime. Eles dizem que a morte foi uma “fatalidade” e que o verdadeiro culpado é interno da clínica, que deixou o tratamento dias após o crime. De acordo com delegado, os dois homens presos vão responder por tortura qualificada pela morte. A polícia já pediu a prisão do terceiro suspeito. Ainda não há informação de onde ele esteja. Ele também vai responder pelo mesmo crime.(Fonte: Polícia Civil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *