Quadrilha que roubava defensivos agrícolas deu prejuízo de R$ 30 mi às vítimas

A Polícia Civil de Goiás, por meio do Grupo de Repressão a Crimes Rurais e de Divisas (GRCRD), prendeu, no dia 14 de novembro, durante a segunda fase da Operação Terra Verde, quatro homens suspeitos de roubar defensivos agrícolas de fazendas e revender em lojas especializadas. De acordo com a investigação, que durou cerca de um ano, os crimes causaram um prejuízo de pelo menos R$ 30 milhões.

Segundo Glaydson Carvalho, delegado adjunto do grupo especializado, há indícios de que essa era uma das maiores organizações criminosas especializada neste tipo de ação no país. Os roubos dos defensivos agrícolas eram cometidos em grandes fazendas nos estados de Goiás, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais e revendidos na cidade mineira de Araguari, onde os quatro suspeitos foram presos.

Ao todo, nas duas fases da operação, foram cumpridos 16 mandados de prisão e 15 mandados de busca e apreensão. “O prejuízo é muito grande, às vezes dava prejuízo de R$ 3 milhões a uma única fazenda. O valor total dos roubos é estimado em R$ 30 milhões. Só em Goiás foram R$ 10 milhões”, disse o delegado. Nos locais onde foram cumpridos os mandados, a polícia encontrou  vários carros e motos de luxo, além de caminhões.

Os quatro homens presos, entre eles Alexsandro Risson, considerado o cabeça do esquema, são proprietários de lojas que comercializam defensivos agrícolas. “Esse grupo era dividido. Tinha quem escolhia e monitorava as fazendas que seriam os alvos, tinha os que roubavam e também os receptadores”, contou o delegado. Segundo Carvalho, eles sabiam exatamente o que precisavam, então encomendavam a quantidade e o tipo de cada produto. Os presos vão responder pelos crimes de roubo e associação criminosa. (Fonte: Polícia Civil)