Responda estas questões sem nenhum tipo de paixão partidária

Se o Triplex de Guarujá é de Lula, por que está registrado em nome da OAS, no Cartório?

Por que a Justiça do Distrito Federal penhorou o imóvel para pagar contas vencidas da Construtora OAS?

Por que a Justiça de São Paulo reconhece que a OAS está devendo o condomínio daquele tríplex e também deverá penhorar o imóvel em favor dos condôminos?

Por que a Prefeitura de Guarujá está cobrando o IPTU atrasado diretamente da OAS e não do Lula?

Por que a OAS tinha o apartamento como garantia em operações financeiras em fundo administrado pela Caixa Econômica Federal?

Com tudo isso,  para condenar Lula, Moro precisou inventar uma categoria nova “proprietário de fato” e que de algum jeito a OAS seria “laranja dela mesmo” na propriedade do imóvel. Confiscou o apartamento da massa falida da OAS, e hoje mandou reverter decisão de penhora de outra juíza federal e leiloar o imóvel a favor da Petrobrás, mesmo com o juízo dizendo que jamais existiram recursos da Petrobrás no Tríplex.
O próprio Moro não define a quem deveria ir o valor do leilão caso seja revertido o confisco: para a empresa OAS Empreendimentos, dona do imóvel, ou ao ex-presidente, que não é dono do imóvel. Moro com isso faz duas coisas: demonstra não ter provado que o apartamento é de Lula, ao mesmo tempo, que abre pela primeira vez a hipótese de dar o tal tríplex, sem motivo algum, para Lula.

Pense nisso antes de afirmar quem é de fato o dono do tríplex… (Dilmar Ferreira)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *